Como comer mais vegetais? (parte I)

Já está visto que as dietas vão dar todas ao mesmo. Comer mais vegetais.

Pois, é fácil falar. E também é fácil fazer. Uma vez.

Não vou dourar a pílula. Os alimentos industriais sabem bem. Todos nós sabemos que não fazem bem, mas o sabor é bom.

fastfood

Se levam açúcar a mais, ou óleos hidrogenados ou raio-que-espartame, isso não interessa. Está em letras pequeninas, e o que os olhos não vêm, o coração não sente. Quer dizer, sentir até sente, mas é quando dá um ataque cardíaco. Mas até lá sabe bem.

Pronto. Estamos esclarecidos? As porcarias embaladas são deliciosas e não aceito discussão neste ponto.

Então como fazemos para ter força de vontade para comer vegetais frescos?

Em termos de lógica, parece-me uma questão simples.

Se A é bom, como é que me convenço a comer B?

Há quem responda “Porque B faz melhor”.

Pois, mas fazer o que é correto não é propriamente o ponto forte da nossa espécie. Toda a gente sabe que não se deve ver muita televisão, passar muito tempo sentado, ser um ministro corrupto. E adianta saber isso?

A resposta correta é mais simples:

Basta que B também seja bom.

É só isso. Há mais vida para além da couve cozida.

Como comer mais vegetais:

Misturar com alimentos que já gostamos muito

salada de macarrão

  • Misturar os vegetais cozinhados com pasta ou massa, como queiram. Uma boa salada de macarrão é deliciosa e vende-se bem cara nos restaurantes. Em casa é das coisas mais fáceis de fazer, e para os mais saudáveis entre nós, massa integral. O título é praticamente a receita.
  • Couves com bacon ou chouriço. Tudo fica melhor com bacon. “Ah, mas o bacon faz mal, e tal e coiso…” CHIU! Agora sou eu que estou a falar. Se comermos um prato que tenha couve com bacon já é melhor do que descongelar uma lasagna e não comermos couve coisíssima nenhuma.
  • Queijo. A mesma coisa. Um pouco de queijo (derretido!) em cima muda completamente o sabor dos alimentos. (está na roda dos alimentos, podem comer um pouco, a minha professora primária deixa)

roda dos alimentos - queijoOlha ali o queijo, escondido atrás do iogurte.

Misturar com alimentos que interagem beneficamente

Sim, assim como há plantas companheiras, também há alimentos que se beneficiam na presença de outros.

  • Juntem mostarda aos brócolos. Os brócolos contêm sulforafano (ajuda no combate ao cancro). O nosso organismo absorve este fitonutriente melhor se acrescentarmos mostarda. Sim, pode ser dessa mostarda. Céticos, enviem as queixas para a Universidade de Cambridge. O estudo foi publicado no British Journal of Nutrition.
  • Cebola e alho com leguminosas (feijão, grão-de-bico, favas, etc). No Brasil, em Portugal e em Angola não é preciso dizer. Um bom estrugido ou refogado é obrigatório no arroz de feijão. E segundo os mais recentes estudos, a cebola e o alho aumentam a absorção do ferro e do zinco presentes nas leguminosas.
  • Azeite em tudo. Em moderação, claro, mas a luteína e a zeaxantina e outros caratenóides de nome difícil são tudo coisas boas presentes nos vegetais que são solúveis em gordura. É preciso um bocadinho de azeite para fazer melhor. Olha que pena… E eu que nem gosto nada de um bom azeite virgem. Com três folhas de oregãos por cima… hummm…

Mais dicas (e mais rápidas, para não aborrecer)

  • Vegetais sem sabor? No supermercado passam-se vários dias desde que são colhidos vendidos. Hortar é a solução.
  • Temperar. Um pouco de sal não faz mal. Mas tem mesmo de ser pouco.
  • Apreciar a comida como um snob. É verdade, antes de comer, absorver os aromas ajuda a apreciar melhor a comida.
  • E que tal a nossa lista de 6 ervas aromáticas muito práticas de ter em casa?
  • Mais temperos? Azeitonas, tomate desidratado, alho, manteiga de amendoim, há tanta coisa por aí.
  • Mais sabor ainda? Chili, malaguetas, piri-piri à vontade. Já o disse e torno a dizer. As malaguetas só fazem bem.

O artigo já vai longo e ainda há mais algumas estratégias que tenho para partilhar. Nos próximos dias publico o resto.

You may also like...

1 Response

  1. 19 Setembro, 2014

    […] meu último artigo eu disse que os alimentos industriais sabiam bem. Alguns insultos e profanidades depois, estou de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *